Bariloche está preparada para fortes nevadas?

Após 48 horas incessantes de neve caindo sobre Bariloche, damos um panorama sobre como foi e como está a situação da cidade

Bariloche está preparada para crises no inverno?
Centro Cívico dia 20 de julho de 2019: mais de 48h de nevadas contínuas.

Na madrugada de quinta (18 de julho) para sexta-feira, começou a nevar em Bariloche, inclusive no centro da cidade. A nevada continuou sem cessar por mais de 48 horas e só foi parar em definitivo no dia 21 de julho, por volta do meio dia.

Por um lado, isso foi maravilhoso para todos os turistas que estavam na cidade, pois as ruas se encheram de neve e o sonho de ver nevar durou mais de 48 horas sem cessar! Estava lindo, não havia vento, podíamos ir às praças ou à beira do lago Nahuel Huapi e a neve caía verticalmente como almofadinhas de algodão.

Pela cidade, crianças faziam skibunda em ruas fechadas. Diversos bonecos de neve espalhados por ruas e praças e até um iglu em frente à casa da Sabrina. O clima e a neve da alta montanha vieram parar em pleno centro de Bariloche. Justamente por isso recomendamos o uso de roupas e botas para neve e montanha. Mesmo em plena cidade!

Por outro lado, mais de 48h de neve constante é um transtorno para os moradores, serviços públicos e para a estrutura da cidade. Estradas foram fechadas ou ficaram com trânsito lento e muito difícil. Acessos foram bloqueados.

A Prefeitura de Bariloche recomendava que ninguém se deslocasse pela cidade e pelas vias em veículos particulares, que dessem preferência ao transporte público. Em casos de força maior, que dirigissem com extrema precaução e com correntes nos pneus.

20 de julho: equipes trabalhavam para retirar a neve do aeroporto de Bariloche.

Muitas casas ficaram sem luz e/ou outros serviços essenciais temporariamente. O Aeroporto fechou por cerca 24 horas, causando diversos cancelamentos e reagendamentos de voos. Tivemos muitos relatos de passageiros com dificuldades para remarcar voos de ida ou de volta.

Bariloche está preparada para enfrentar momentos de crise no inverno?

Em nossa humilde opinião? Um sonoro SIM.

Sabemos que ninguém gosta de ter voos ou passeios cancelados, atrasados, ficar horas no aeroporto ou esperando por um transfer. Todos turistas que estiveram em Bariloche nos últimos dias puderam experienciar, graças ao clima, momentos incríveis, mas muitos passaram por terríveis aborrecimentos e frustrações como os descritos acima.

Voltamos à época dos pioneiros, que se deslocavam com ski pela cidade.

Mas, francamente, após mais de 48 horas de neve caindo ininterruptamente sobre Bariloche e arredores, o que esperar? Alguém acha que em alguma outra cidade no mundo, mesmo na Alemanha, nos Alpes Suíços, tudo transcorreria normalmente, sem qualquer aborrecimento, atraso, cancelamento? Até onde sabemos, não houve nenhuma tragédia, mortos ou feridos.

Imagina se chovesse em qualquer cidade brasileira por mais de 48 horas seguidas? Em São Paulo? NO RIO?! Algumas horas de chuva em abril, no Rio de Janeiro , levaram o prefeito da cidade a decretar calamidade pública.

Fortes Nevadas em Bariloche 2019
Clique na imagem para ler a notícia. Fonte: G1.

E que tal se saírmos da América Latina e compararmos com países europeus, potências econômicas, exemplos de organização e eficiência? Que tal a Alemanha? França? Reino Unido? Bem, assim como no Rio, em 2019 (e em vários outros anos) a neve trouxe muitos problemas aos turistas e aos residentes europeus. Várias cidades declararam estado de calamidade.

Fortes nevadas em Bariloche no inverno de 2019. A cidade está preparada?
Para ler a notícia, clique na imagem. Fonte: DW.

Aeroporto fechado, também tem… Isso pode acontecer até em Frankfurt.

Aeroporto fechado por conta da neve acontece em todo o mundo.
Para ler a notícia, clique na imagem. Fonte: DW.

E se dissermos que nos Alpes Franceses a neve já deixou mais de 15 mil carros presos nas estradas e que os viajantes tiveram que procurar abrigos improvisados? E milhares sem luz no Reino Unido ou um trânsito caótico e com acidentes na Alemanha?

Nevascas causam transtorno por toda a Europa.
Para ler a notícia, clique na imagem. Fonte: DW.

Nos Estados Unidos, as nevascas causaram tragédias este ano.

Para ler a notícia, clique na imagem. Fonte: G1.

Bariloche está preparada…

Ok! Acho que já chega de caos na Europa, né? Voltemos a Bariloche, então…

Bariloche é uma cidade com menos de 130 mil habitantes. É uma população menor que a de Maranguape no interior do Ceará ou que a cidade de Teresópolis no Rio de Janeiro.

Primeiro voo a pousar após a reabertura do Aeroporto de Bariloche (21 de julho).

Ainda assim, acreditamos que mesmo com todos os problemas, necessárias melhorias e contratempos, a cidade de Bariloche soube lidar muito bem com as fortes nevadas de mais de 48 horas sem parar. Reestabelecer um aeroporto em menos de 24 horas sob constantes nevadas não é tarefa simples. Manter uma população de turistas gigantesca como a que visita Bariloche nesta época sem nenhuma ocorrência grave que não sejam atrasos, cancelamentos, demoras e momentos de desconforto e aborrecimento, no geral, me parece aceitável.

Bariloche está preparada para fortes nevadas

Centenas de profissionais e muitas máquinas estiveram e estão trabalhando para que as vias e acessos fiquem transitáveis ou que se reestabeleçam o mais rápido possível quando fechadas.

Diante de todos os transtornos, no saldo geral, Bariloche é uma cidade pequena, invernal, e muito bem preparada para receber turistas. Mas o turista também precisa estar preparado para vir a Bariloche e entender que se trata de uma cidadezinha cravada na Cordilheira dos Andes, com menos de 130 mil habitantes e que a Natureza o homem não controla. Seja aqui, seja na Europa, seja no Canadá ou nos Estados Unidos. Como centro invernal sulamericano, sim, nossa pequena Bariloche se saiu bem nesta prova de fogo, ou melhor, de neve, de muita neve!…

Resgate noturno pelo lago Nahuel Huapi

Contamos inclusive com a solidariedade de empresas de turismo que ontem, por exemplo, foram resgatar de barco pelo lago Nahuel Huapi passageiros que estavam em Villa La Angostura e não conseguiram voltar pela estrada, que estava fechada.

As companhias que fazem os conhecidos passeios de lago de Bariloche, Cau Cau e Turisur, colocaram as embarcações à disposição, incluindo a clássica La Modesta Victoria. 750 turistas foram distribuídos em 3 barcos e zarparam por volta das 21h para Bariloche.

Mas pode melhorar!

Bariloche (e quando falo Bariloche, não me refiro apenas à prefeitura, mas a todo poder público, entidades, empresas, população, profissionais do turismo em geral) mesmo passando no teste de fogo, tem muito espaço para melhorar. Infelizmente em alguns casos, justo no que é mais simples e humano, existem falhas e, às vezes, falhas graves.

Ouvimos reclamações de turistas que tiveram uma experiência incrível atrapalhada por conta de falta de cordialidade e até de humanidade de um único profissional do turismo. Coisas como um motorista de ônibus parado no trânsito que se recusou a abrir a porta para uma família que estava no frio para seguir de forma burra, bitolada, sem bom senso, cordialidade e humanidade a regra de que só pode abrir a porta no ponto de ônibus.

Gente assim não tem condições ou não foi devidamente preparada para trabalhar com turismo. Não é um caso isolado, mas também não podemos generalizar. No geral, a hospitalidade é muito boa, mas em alguns casos falta treinamento e preparo para lidar com o turista.

Chamamos a atenção em especial dos profissionais que trabalham com transporte, particularmente os motoristas. Vale muito investir mais na capacitação turística desses profissionais, pois o contato deles com o turista, principalmente em momentos de crise, com vias fechadas ou transitáveis com muita precaução, é intenso e crucial para o bem-estar de todos. E a nossa crítica aos motoristas em geral é justamente por reconhecermos a enorme importância que eles têm para o turismo de Bariloche.

Também chamamos a atenção do Aeroporto de Bariloche, das companhias aéreas e as seguradoras de viagem, para que se comuniquem melhor e sejam mais claros com seus passageiros, principalmente em momentos de crise. Se por um lado o aeroporto teve o mérito de reestabelcer o funcionamento muito rapidamente com toda neve que havia acumulada e as nevadas que não paravam, por outro, precisa de mais estrutura e atendimento na alta temporada. As companhias aéreas precisam ser mais claras, comunicativas e tempestivas no apoio.

Foto do ginásio da cidade de Bariloche: céu aberto (23 de julho).

Qual é a situação de Bariloche após as fortes nevadas?

Hoje, dia 24 de julho de 2019, ainda existe muita neve acumulada na cidade, mas podemos circular pelo centro sem transtornos. A cidade vai voltando a um clima de normalidade.

O Aeroporto de Bariloche está operacional desde a manhã do dia 21. As estradas continuam problemáticas e na maioria se recomenda dirigir com extrema precaução e uso de correntes. Não vamos relatar aqui o estado das estradas em específico, pois essa é uma informação que muda em pouco tempo.

Em específico, podemos mencionar que a estrada que liga Bariloche e Villa La Angostura está fechada e a princípio deve permanecer assim nos próximos dias, devido a uma implosão em um paredão ao lado da pista para evitar risco de desmoronamentos.

Foto acima: lago Trébol, no Circuito Chico, congelou: evento raro!

Aos turistas, a recomendação é que verifiquem em nossa agência a situação de cada lugar e excursão para saber se é possível contratar, reservar, ir. Evitem insistir em ir a um passeio, mesmo que queiram muito, quando a recomendação do nosso consultor for não ir. O momento é para ser prudente e evitar transtornos.

Conclusão e desabafo!

Por fim, e nós? Certamente nós aqui na agência Destino Sul e no blog Bariloche para Brasileiros também temos muito espaço para melhorar e até para crescer. Somos uma empresa pequena e familiar, mas sempre que cometemos um erro (e cometemos) procuramos reconhecer e nos redimir para que o nosso passageiro confie e acredite em nosso trabalho.

Por outro lado, é fundamental que os nossos leitores, passageiros e futuros passageiros entendam que em momentos de crise gerada pelo clima, por fortes e constantes nevadas, acontecem atrasos, acontecem contratempos e problemas. É preciso entender que nessas horas, nossa equipe precisa ajudar passageiros em dificuldades e o atendimento na agência pode demorar mais ou até ser cancelado, mas sempre procuramos compensar ou dar uma outra solução.

Aqui no blog e em nossas redes sociais também tentamos informar tudo o mais precisamente e rapidamente o possível. Mas somos uma agência de viagens familiar, não uma agência de notícias com jornalistas e correspondentes.

O turismo se faz com hospitalidade, cordialidade, compreensão e principalmente solidariedade. E isso deve pautar o comportamento de todos os profissionais do turismo e também de todos os turistas.

Avatar

Autor: Alejandro Sainz

Alejandro é irmão da Sabrina e sócio-diretor do Bariloche para Brasileiros. Músico e publicitário brasileiro e argentino, nasceu em Buenos Aires, mas cresceu e vive no Rio de Janeiro. Ficou tão deslumbrado quando conheceu a Patagonia e Bariloche, que compôs uma música chamada “Patagonia” com sua banda de rock, que virou disco e videoclip realizado apenas com filmagens da região. Seu lugar preferido é a estepe patagônica. Também é louco pelas cervejas artesanais, chocolates e tudo que é “ahumado” (defumado) da região: comida, cerveja, molhos etc.

5 pensamentos

  1. Olá. Estive em Bariloche nesse período de 13 a 21 de julho. A agencia foi extremamente cordial comigo e minha família. Tive apenas um passeio cancelado em razão das condições climáticas e fui ressarcida, sem problemas. Nota 10 para a Destino Sul. Todos os passeios ótimos. Recomendo.
    De fato, tive meu voo cancelado. Em contrapartida, pudemos aproveitar momentos excelentes com neve na cidade.

    No entanto, alguns fatores causam indignação; aeroporto não comporta o número de pessoas, já que as agencias (a minha CVC) retira as pessoas do hotel e manda para o aeroporto, mesmo sem confirmação do voo. Chegando lá, nenhuma confirmação quanto ao meu voo. Minha cia aérea, GOL, só iria disponibilizar alguém para informar 3 horas antes do voo (saímos do hotel as 13 e nosso voo partiu as 22). O aeroporto estava caótico! Pessoas carregando malas por cima da cabeça. Pessoas passando a noite no aeroporto por falta de hotel. No meu hotel, caso precisasse, era a 14ª de uma lista de espera. Desesperador. O problema não é o cancelamento, visto que são causas naturais, imprevisíveis. Os problemas são as assistências ao turista. Até a água no aeroporto acabou. Então, concluindo, para quem quer ir nessa época do ano ver a neve na cidade, não vão com idosos e crianças pequenas. O emocional fica tão abalado, que por tempos esquecemos quão boa foi a viagem. Hoje, 2 dias após estou em casa, pois, claro, perdi minha conexão, começo a relembrar os bons momentos. mas não desejo passar pelo mesmo sufoco.
    Então, concluo que a integração turística da cidade (hotel, aeroporto, agências, transfer, etc) não estão preparados para tal fator.

    1. Oi, Sabrina. Sim, de fato a estrutura do aeroporto de Bariloche precisa melhorar bastante e as companhias aéreas e grandes operadoras turísticas precisam se comunicar melhor e tratar as pessoas menos como gado. Ajudamos brasileiros que estavam desorientados com a falta de posição da companhia aérea. Alguns se esqueciam até de acionar o seguro viagem (lembrei 3 ao menos de fazer isso). Escrevi este texto justamente para que tudo de bom e ruim apareça e se possa caminhar sempre no sentido de melhorar a estrutura, a hospitalidade e cordialidade. Claro, nem tudo é um problema de Bariloche. A falta de comunicação e de soluções das companhias aéreas e das grandes operadoras (como a citada CVC) são um transtorno em qualquer destino sujeito a complicações de causas naturais ou sociais, ou seja, praticamente todos. Mas, sim, apesar da incompreensão em muitos casos de alguns passageiros (até por desconhecimento), Bariloche pode e deve melhorar em diversos aspectos.

  2. Cheguei hoje de Bariloche. Passei por toda essa situação descrita. Já conhecia a região. Sua beleza é incontestável. Mas realmente falta estrutura à cidade. Fui com meus pais idosos e filhos pequenos . Passamos por situações estressantes. Não conseguiamos taxi, remises, ônibus ou qualquer tipo de transporte para lugar algum. As ruas da avenida bustillo não tem calçadas. E quando existem estão tomadas por carros ou neve(em outros paìses, existem sim máquinas para limparem as pistas em um tempo hábil)Mesmo com carros contratados para os passeios não tinhamos garantia de transporte. Fomos a piedras blancas em van contratada pela agência(ccr 02, motorista alejandro). O motorista combinou o retorno as 16 horas. As 15:20 compareci ao local combinado. O carro estava lotado com outros passageiros. Me levou a outra van da empresa o motorista se recusou a nos levar. Só consegui voltar depois de chegarmos quase as vias de fato! Situação Extremamente desagradável. Em alguns passeios sequer fomos avisados do cancelamento.Entendo que as condições são extremas, mas uma cidade com esse potencial turìstico tem muito a melhorar.

    O atendimento da destino sul foi franco, não ofereceram nenhum passeio que tivesse uma condição prévia desfavorável. Os cancelamentos não tiveram burocracia e a devolução dos valores foi imediata. Se permitem uma sugestão, a comunicação com os clientes deveria ter horário extendido e ser mais efetiva.

  3. Tive o prazer de conhecer esta cidade maravilhosa no período da nevasca, foi lindo demais,emocionante.
    Viagem inesquecível.

  4. Estive em Bariloche durante a nevasca e concordo com a grande maioria dos comentários. Acho apenas que falou mais transparência sobre o serviço do aeroporto de Bariloche. Duvido que em qualquer lugar da Europa ou Estados Unidos seja assim tão amador. Definitivamente, eles não estão preparados para lidar com uma situação daquelas. Se houcesse condições de as esteiras receberem e separarem bagagens de mais de um vôo, a história teria sido menos traumática. Bariloche, nunca mais!

Deixe uma resposta