Primavera em Bariloche: dicas de viagem

Dicas de viagem para a primavera em Bariloche: roupas, clima, atividades e muito mais

O inverno está na reta final e Bariloche ainda está recebendo muitos turistas
brasileiros. Alguns leitores que virão para a primavera em Bariloche, a partir do final de setembro, possuem muitas dúvidas sobre como se preparar para a viagem. As principais dúvidas são: se vai ter neve e como é o clima, qual roupa usar, qual moeda trazer e quais atividades fazer.

 
Quem acompanha o blog, sabe que eu já escrevi algumas postagens sobre como se comporta o clima em cada época do ano e o que fazer em diferentes épocas. Resumindo o que eu já mencionei anteriormente (ver nos links abaixo), já no final de setembro a quantidade de neve é menor que em agosto e julho, a temperatura já começa a aumentar aos poucos e a neve vai derretendo progressivamente. Ou seja, se você optar por viajar do final de setembro em adiante, não tenha como prioridade fazer atividades na neve, mas sim fazer passeios mais para curtir a paisagem. Pode ser que esporadicamente caia alguma nevadinha em outubro ou novembro? Sim, mas não é o comum e a neve não se mantém acumulada, devido às temperaturas que podem estar acima de 10 °C.
 
Leia mais sobre o clima em Bariloche entrando nos links abaixo:
 

 

É importante dizer que Bariloche não é só neve, se você viajará na primavera, venha disposto a aproveitar outras atividades e passeios mais paisagísticos, assim como
atividades mais alternativas, como a cavalgada e rafting.

 

 
Uma das maiores dúvidas para quem chegará ao início da primavera é a seguinte: Conseguirei esquiar no final de setembro ou início de outubro? Provavelmente sim, mas a realidade é que a neve já não é a mesma dos meses anteriores e as condições não são as melhores. No ano passado, o Cerro Catedral encerrou a temporada de ski no dia 10 de outubro, se não me engano.
 

Aproveito para comunicar que nesta semana já encerramos a promoção do batismo de ski ou snow no Cerro Catedral, igualmente se você estiver por chegar a Bariloche, é só nos procurar na agência para ser orientado e saber mais sobre a outra proposta de aula coletiva de ski ou snow que estamos reservando no Cerro Catedral, no Winter Park e no Centro de Ski Nordico. Tarifas atualizadas: clique aqui

 

Os passeios clássicos terrestres e as navegações são feitos durante o ano todo: Circuito Chico, Vulcão Tronador, San Martin pela rota dos 7 Lagos, Isla Victoria e Bosque de Arrayanes e Puerto Blest e Cascata Los Cantaros.  Abaixo compartilho uma das postagens do meu blog para ler sobre o que fazer na primavera em Bariloche: 

O que fazer na primavera em Bariloche, clique aqui

 

Qual roupa devo levar e usar em Bariloche na primavera?
 
Esta é outra grande dúvida daqueles turistas que viajarão a Bariloche na primavera, mas a resposta é bem simples: É importante trazer roupas agasalhadas, já que nesta época ainda faz frio e a oscilação da temperatura é grande. Imaginem, poderia chegar a fazer temperaturas próximas a 0°C ou até 20°. No final de setembro/início de outubro provavelmente seja necessário usar a roupa impermeável para fazer algum passeio na montanha, por exemplo, ir ao Cerro Catedral passear de teleférico. O que trazer: tênis, botas, blusas térmicas, casacos, roupas mais esportivas e confortáveis, jeans, gorro, luvas de lã, cachecol.

 

O que eu recomendo: Na véspera da vigem, olhe uma página de previsão do tempo para ter idéia de como estará o clima e temperatura nos próximos dias da sua estadia em Bariloche. Recomendo o Windguru (que está no rodapé do blog), esta página costuma acertar bastante e por isto é muito usada pelas pessoas que praticam esportes náuticos.

 

 
E para você que viajará agora em baixa temporada, qual moeda está compensando trazer a Bariloche? A cotação do real e dólar varia para trocar no câmbio paralelo e nos comércios da cidade, uma loucura, varia bastante! Eu diria que está quase similar trazer reais ou dólares, mas talvez esteja compensando um pouco mais trocar dólares em notas altas. É importante esclarecer que as notas de menos de 50 dólares são menos valorizadas no câmbio paralelo, isso acontece em toda a Argentina. Se puder, traga reais e dólares para ir usando conforme a sua conveniência.

 

Geralmente não compensa comprar pesos no Brasil, mas não custa nada averiguar na casa de câmbio da sua cidade e comparar com a cotação oficial do Banco Nacion na Argentina. Acho importante também trazer cartão de crédito por qualquer necessidade.

 

Resumindo: Traga reais, de preferência dólares em notas de 100 ou 50 e cartão de crédito ou débito (não esqueça de avisar ao seu banco que usará o cartão no exterior). O câmbio paralelo paga mais pela troca do que o câmbio oficial, mas troque somente em lugares recomendados.
  
Aproveito para comentar que a partir de outubro, por ser baixa temporada, costumo marcar um horário com quem desejar reservar um roteiro e ser assessorado/a sobre os passeios. Até a próxima campanha de inverno, somente estaremos reservando os passeios presencialmente na agência, onde entregamos os vouchers e recebemos o
pagamento. Se você deseja marcar um horário comigo para organizar os passeios, é só enviar um email a sabrinapoinho@gmail.com. Se preferir ir direto a Select Travel (Rua Villegas 237), não tem nenhum problema, alguém da equipe o atenderá.
 
O horário da agência Select Travel a partir de 16 de setembro será o seguinte:
 
De segunda a sábado: Das 9 hs às 13 hs ou das 17 às 21 hs (Domingo: fechada)
 
Sigam acompanhando o meu blog e se você viajará a Bariloche no inverno que vem, me envie um email comentando que deseja receber as novidades para a próxima
temporada de inverno, não fique por fora do virá pela frente!
 
Até a próxima!
 

 

 

 

Autor: Sabrina Poinho

Sabrina, autora e fundadora do Bariloche para Brasileiros, é barilochense e carioca de coração, mas mineira de nascimento. É formada em Bariloche como a primeira guia regional da Patagônia. É louca com a gastronomia de Bariloche e só sendo louca por vôlei também para tentar manter a forma com tanta comida boa no friozinho patagônico. Está casada e mora em Bariloche há quase 10 anos por culpa de um argentino que é físico atômico e irradiou o seu coração…

Deixe uma resposta