Onde passar o Reveillon em Bariloche?

 

Como eu comentei nas postagens sobre o que fazer no Natal e no Ano Novo nos dois últimos anos, Bariloche não se caracteriza por ter muitas festonas, show de fogos, etc, mas quem estiver na cidade nesta época o que poderia fazer seria passar as festas em algum hotel ou restaurante.

Não são todos os restaurantes que abrem e alguns deles funcionam nos dias 24 e 31 somente na hora do almoço. Alguns nomes de hotéis e restaurantes que fazem ceias de Natal e Ano Novo: Hotel Llao Llao, Villa Huinid, Panamericano, Design Suites, Alma del Lago, El Patacon, Familia Weiss, Plaza Uno, Bokado, Rincon Patagonico, Galpon de Salo. O El Patacon abre também no dia 25 de dezembro e 1°de janeiro, fica a dica para quem quer buscar um lugar para almoçar nestes dias.

 

Os valores oscilam e com certeza os jantares mais caros e luxuosos são feitos no Hotel Llao Llao e os mais econômicos são em restaurantes como o Plaza Uno (tem uma vista linda de frente para o lago) e Galpon de Salo. Igualmente não considero nenhum jantar destes econômicos, os mais baratos estão acima dos 1000 pesos. Eu particularmente sempre passo o Natal na minha casa e no Reveillon sempre vou em algum destes jantares. Na página oficial do Hotel Llao Llao tem informações sobre os jantares de fim de ano.
 
Para quem estará na cidade no Ano Novo, compartilho os panfletos de três opções de ceias, mas está em espanhol:

 

 

 

Também compartilho as postagens de anos anteriores sobre o fim de ano em Bariloche, é só clicar nas frases abaixo:
 
 
 
 
Creio que esta é a última postagem antes do Natal, então antecipadamente já desejo a todos os leitores do blog muita paz e harmonia e que vivenciem uma noite mais que especial com os seres queridos, aproveitem  muito estes momentos em família!

 

Até a próxima postagem e um feliz Natal para todos desde Bariloche!!! 
 
Foto: El Cordillerano

Autor: Sabrina Poinho

Sabrina, autora e fundadora do Bariloche para Brasileiros, é barilochense e carioca de coração, mas mineira de nascimento. Se formou em Bariloche como guia regional da Patagônia, se tornando a primeira brasileira a ter este título. É louca com a gastronomia de Bariloche e só sendo louca por vôlei também para tentar manter a forma com tanta comida boa no friozinho patagônico. Está casada e mora em Bariloche há mais de 10 anos por culpa de um argentino que é físico atômico e irradiou o seu coração...

Deixe uma resposta