Bariloche celebra a sua tradição cervejeira

A cerveja artesanal está de moda em todo o mundo e cada vez mais cresce os admiradores desta bebida e pessoas que elaboram cerveja dentro da própria casa, os “Homebrewers”. Bariloche tem uma tradição de 100 anos na produção de cerveja artesanal e a região possui um clima apropriado para produzir as principais matérias-primas utilizadas para fabricar a cerveja. Sem dúvidas, esta é uma das principais atrações da gastronomia da cidade, onde podemos encontrar várias fábricas, bares, pubs e restaurantes, seja no centro ou em lugares mais afastados  em contato com a natureza. Como está chegando o verão, época ideal para consumir esta bebida, aqui cito algumas das minhas cervejarias preferidas e que gosto de freqüentar em Bariloche: Manush (para mim a melhor de todas), Berlina, La Cruz, Blest, Bachmann, Antares.
 
 
Foto: Facebbok Beer Art

 

Foto: Facebook Manush

 

Foto facebook Bachmann

 


Neste fim de semana será realizada em Bariloche a maior festa da cerveja artesanal da Patagônia, a Beer Art. O evento será realizado no ginásio dos Bombeiros Voluntários (Rua Beschedt 279, no centro) nos dias sábado 5 e domingo 6, das 18 hs até 1 da manhã.  Estarão concentrados no lugar barracas com 16 marcas de algumas cervejas artesanais da região, barracas de comida, happy hour das 18 as 20 hs, Djs e shows musicais. O destaque do evento será a apresentação no domingo da banda “Dios Salve a La Reina”, eleita pela revista Rolling Stones a melhor banda cover do Queen do mundo. 

 
Foto: Facebbok Beer Art

 

 

 

 

 
O valor da entrada do Beer Art no sábado 5 será de 100 pesos (show da banda Rockabillycos) e no domingo 6, 250 pesos (Show da banda Dios Salve a La Reina – cover do Queen).

 

Não deixem de conhecer Bariloche no verão e experimentar a grande variedade de cervejas artesanais feitas na Patagônia!
 
 
Espero por vocês!   

Autor: Sabrina Poinho

Sabrina, autora e fundadora do Bariloche para Brasileiros, é barilochense e carioca de coração, mas mineira de nascimento. Se formou em Bariloche como guia regional da Patagônia, se tornando a primeira brasileira a ter este título. É louca com a gastronomia de Bariloche e só sendo louca por vôlei também para tentar manter a forma com tanta comida boa no friozinho patagônico. Está casada e mora em Bariloche há mais de 10 anos por culpa de um argentino que é físico atômico e irradiou o seu coração...

Deixe uma resposta