Presentes e lembranças de Bariloche

 

Além do chocolate (que merece um capítulo a parte), o principal produto que os turistas levam de Bariloche, existem muitas opções interessantes para dar de presente, principalmente coisinhas para degustar. Sempre que vou ao Brasil, gosto muito de levar produtos gourmet como patês (de truta, cervo), molhos para comer junto a comida (o de masala da marca Granja Patagônica é uma delícia), mostardas de diferentes sabores (gosto muito da mostarda ao alho), geléias de frutas típicas (adoro as de frutas do bosque), temperos defumados, licores também de frutas típicas e chás (frambuesa, calafate, frutas do bosque). Sempre que posso e tenho espaço, levo alguma garrafinhas de cerveja artesanal e um vinho da Patagônia (recomendo vinhos da adega Fin del Mundo), mas é claro, sempre tem que embalar bem e garantir que as garrafas não se quebrem na mala. Estes tipos de produtos são encontrados facilmente em várias lojas na rua Mitre ou em supermercados espalhados pela cidade (Mercados Todo e  La Anonima são os principais). A loja de produtos gourmet mais conhecida da cidade se chama Ahumadero  Familia Weiss, que também possui um restaurante que agrada bastante aos turistas. Também gosto de levar alfajores artesanais típicos daqui, os que são recheados com frutas e tem cobertura de chocolate.

 

Outras opções interessantes para levar são os tradicionais artesanatos de cerâmicas (Cerâmica Bariloche é a loja mais tradicional da cidade) e os tecidos de origem mapuche (indígenas nativos da Patagônia) feitos de lã e são produzidos artesanalmente. Tem uma lojinha de madeira atendida por mapuches bem no centro de Bariloche, na Rua Moreno quase esquina com Rua Villegas (onde também tem uma feirinha de artesanato em uma casa de madeira). As mulheres mapuche são excelentes tecelãs, já vou contar um pouco a história deste povo que é símbolo da Patagônia e resiste até hoje para manter sua cultura.

 

A Rua Mitre, onde se encontra o comércio turístico de Bariloche e as principais chocolatarias, está cheia de lojas de lembrancinhas e artesanatos, muitas delas vendem o mesmo produto, mas e o preço varia bastante, por isto não está mal pesquisar e “bater perna” pelo centro. A Galeria do Sol é a mais tradicional do centro e agora abriu uma nova que se chama “Paseo de la Catedral”. O comércio não turístico e mais popular se encontra na rua Onelli, um pouco afastada do centro e onde está uma das entradas do único shopping da cidade, o Shopping Patagonia (onde se encontra o único cinema de Bariloche). Na cidade também se podem encontrar lojas de couros e algumas marcas tradicionais, como a Puma. E para finalizar, quem gosta de ler, os livros de história e fotografias da Patagônia são outras opções interessantes para levar de lembrança ou dar de presente. Na Casa Raul no segundo andar, na Rua Mitre, é o melhor lugar para comprar livros.

 

Boas compras!

 

 

 

 

 

 

 

Autor: Sabrina Poinho

Sabrina, autora e fundadora do Bariloche para Brasileiros, é barilochense e carioca de coração, mas mineira de nascimento. Se formou em Bariloche como guia regional da Patagônia, se tornando a primeira brasileira a ter este título. É louca com a gastronomia de Bariloche e só sendo louca por vôlei também para tentar manter a forma com tanta comida boa no friozinho patagônico. Está casada e mora em Bariloche há mais de 10 anos por culpa de um argentino que é físico atômico e irradiou o seu coração...

Deixe uma resposta