Bariloche mais “smart”: trilhas, circuitos, a cidade e a natureza integrados ao seu smartphone

De projetos inovadores que ajudam os trilheiros, turistas e residentes e grupos de resgate, a recurso tecnlógico com conteúdo audiovisual pode ser acessado apenas apontando a câmera do smartphone para o QR code, que está em 23 pontos de interesse no centro. Bariloche vai ficando mais “smart”.

Certo dia nossa amiga, parte da nossa equipe aqui na Destino Sul, a Lis, nos contou de um projeto muito interessante, o Senderos Patagónicos, que ela e sua turma do curso de engenharia da computação da Universidad Nacional de Río Negro (UNRN) desenvolveram e que foi finalista do programa do Banco Patagonia para inovação, o BP Innova.

O projeto consiste em utilizar totens com código QR para oferecer informação com mapas e guias de observação sobre as trilhas de Bariloche a turistas e residentes, mas, ainda mais que isso, coletar e ofertar pelos mesmos totens dados estatísticos do uso da trilha para os grupos de busca e resgate, apoiando e viabilizando o trabalho de inteligência com dados e informação.

A Lis me contou ainda que, com auxílio do totem, seria possível também ao trilheiro desavisado ou esquecido saber da importância do registro de trilha junto ao Club Andino Bariloche e, melhor ainda, fazer esse registro online, na hora, prestes a iniciar a trilha. Um trâmite simples, mas fundamental e que pode salvar vidas, no caso de alguém se perder ou sofrer um acidente. Tudo isso, com conteúdo em diversas línguas, incluindo o português, traduzido por alunos voluntários da escolade turismo e hotelaria. Ideia genial e extremamente útil, não?

“Mas e a conexão a Internet?” – eu perguntei. A turma da UNRN também pensou numa solução para isto, que seria utilizar tecnologia raspberry e, eventualmente, o satélite Arsat. Tudo isso com uso de energia limpa e respeito à conservação dos Parques.

Esse importante projeto é parte de outro ainda mais amplo de conectividade, orientação, informação e coleta de dados, para outras regiões de Bariloche.

Achamos a ideia incrível e torcemos muito para que este projeto e tantos outros que surgem no seio da comunidade barilochense, seja nas universidades ou nos diversos empreendimentos e instâncias da sociedade, possam ser aproveitados, reconhecidos, incentivados e levados adiante para deixar a nossa querida Bariloche cada vez mais “smart”. E, claro, estes idealizadores da nossa comunidade cada vez mais motivados por se sentirem em um ambiente de fomento a inovação.

Quem sabe com inspiração neste projeto finalista do BP Innova, a cidade de Bariloche ficou ainda mais interativa com os residentes e os turistas, inclusive brasileiros. QR codes com conteúdo audiovisual em português e outras línguas contam a história de lugares históricos no centro de Bariloche. Nos 23 sítios que compõem o Circuito do Patrimônio Histórico Pedestre da cidade, ao escanear um código QR com o celular em cada ponto, moradores e turistas podem acessar guias de áudio gratuitos que contam a história da cidade, com descrições, fotos atuais e antigas de cada local.

O desenvolvimento desta nova ferramenta inclui áudios e textos em 6 idiomas – português, espanhol, inglês, italiano, alemão e chinês. O objetivo é promover este passeio pelo patrimônio arquitetônico e histórico local, contando a história dos lugares mais antigos e representativos da cidade.

O acesso é gratuito. Basta scanear os códigos QR que estão localizados nos totens com a câmera do celular.

O Secretário de Turismo de Bariloche também afirmou que “essa será a primeira etapa de um projeto que continuará com a incorporação dessa tecnologia a outros circuitos de Bariloche, como o Circuito Religioso, segmento com uma demanda que cresce a cada dia”.

O conteúdo dos audioguias é rico em conteúdos acessíveis sobre arquitetura, técnicas e estilos decorativos, aliados aos processos históricos que marcaram cada espaço.

Assim, o passeio começa no Centro Cívico e segue para diferentes edifícios e pontos históricos de Bariloche: a Administração do Parque Nacional Nahuel Huapi, o Edifício Capraro, o Clube Andino Bariloche, o Edifício Haenggi-Blaya, o antigo Residencial Candeago, o antigo Escritório das Terras e Colônias, o anexo da Pensão Eden-Pensão Mayer, a Casa González, a antiga Maternidade, a Rua Rolando e o Hotel Bellavista, o Colégio Nº 16, a Capela Imaculada Conceição, a antiga Companhia Nacional de Telecomunicações, o Hospital Ramón Carrillo , as escadas urbanas, a antiga Casa Marciani, a Casa dos Santos, a Igreja Catedral, Av. Costanera, o Hotel Tres Reyes, o Banco Nación e o edifício Aerolíneas Argentinas.

Torcemos para que cada vez mais a inovação e a tecnologia sejam fomentadas de modo colaborativo e sirvam para aumentar a integração, a interatividade e a inteligência no uso da informação em benefício da cidade, da natureza, da comunidade local e dos turistas.

Planeje sua viagem com a gente. Escreva para:

atendimento@barilocheparabrasileiros.com.br

Fizemos um grupo para dicas, informações, notícias e promoções sobre Bariloche, você pode acessar aqui:
https://chat.whatsapp.com/J37dfOaUNkaBdHZJIVnNlT

Alejandro Sainz

Autor: Alejandro Sainz

Alejandro é irmão da Sabrina e sócio-diretor do Bariloche para Brasileiros. Músico e publicitário brasileiro e argentino, nasceu em Buenos Aires, mas cresceu e vive no Rio de Janeiro. Ficou tão deslumbrado quando conheceu a Patagonia e Bariloche, que compôs uma música chamada “Patagonia” com sua banda de rock, que virou disco e videoclip realizado apenas com filmagens da região. Seu lugar preferido é a estepe patagônica. Também é louco pelas cervejas artesanais, chocolates e tudo que é “ahumado” (defumado) da região: comida, cerveja, molhos etc.

Deixe uma resposta